FacebookTwitterLinkedInRSS FeedPinterest Pin It

Dia do Motorista: Histórias de Amor a Profissão na TransWolff

Empresas
Ferramenta
Tipografia
  • Menor Pequeno Medio Grande Maior
  • Padrao Helvetica Segoe Georgia Times

Com o sucesso dos artigos relacionados a valorização profissional, não poderíamos deixar de abrir espaço para que as empresas também divulgassem suas homenagens nesse dia que deveria ser o mais importante em todas as empresas de ônibus. 25 de julho não é somente um dia qualquer, é o dia dos motoristas, dia daqueles que fazem as empresas se movimentarem, aqueles que “carregam as cidades” de um lado para o outro. Agora você irá conhecer a história de alguns motoristas de ônibus da empresa TransWolff Transportes e Turismo que opera linhas na zona sul da cidade de São Paulo.

Amor pela profissão faz motorista embelezar ônibus

transwolff motoristas 2019 02

O motorista Bruno Gomes do Santos, 23 anos, que dirige na linha 6027-10 – Grauna – Term. Sto. Amaro, operada pela Transwolff, seguiu os passos do pai Wagner Reis dos Santos, 48 anos, que também foi motorista de ônibus na empresa e deixou o legado para o filho acerca da limpeza e dos cuidados que deve ter com o ônibus.


Seu Martinho motorista de 75 anos pretende dirigir até os 80

transwolff motoristas 2019 03

Motorista de ônibus há meio século, ele já passou por dez linhas de ônibus operadas pela Transwolff. Nunca se envolveu em acidente, jamais faltou, nunca sequer levou uma advertência em todos estes anos. Nenhuma reclamação de passageiro foi feita no 0800 da empresa nem no Serviço 156 da prefeitura, canal onde o passageiro registra queixa.

Desde 2012, o profissional é motorista da linha 6046-10 – Jd. Novo São Bento – Sto. Amaro. Este é o baiano da pacata Riacho de Santana, cidade de 37 mil habitantes, a 715 km de Salvador.

Ele chegou a São Paulo aos 16 anos, acompanhado dos pais, já com um sonho na bagagem: ser motorista de ônibus. Joaquim Pereira de Almeida, 74 anos, apelidado pelos passageiros de “Seu Martinho” por conta de gostar de sucessos do cantor Martinho da Vila, isso há 30 anos.


Chefe de família e mãe sustenta os filhos com o salário de motorista

transwolff motoristas 2019 04

Ela carrega no braço esquerdo uma tatuagem para demonstrar o amor pela profissão. Mãe de três filhos: Pedro, 17 anos, Regina, de 11 anos e Rute, 6 anos, dois deles moram com ela.

Adriana Romano Pereira, 33 anos, é chefe de família e exerce a função de motorista há 6 anos, no Atende, serviço que transporta pessoas com mobilidade reduzida, com direito a acompanhante e está há 1 ano e 5 meses.  

Questionada o que significa para ela ser motorista de ônibus responde “Uma parte de mim”, afirma. “Estou ajudando alguém de alguma forma. É uma situação prazerosa saber que estamos fazendo algo pra alguém”, diz orgulhosa.

Sou profissionalmente realizada. Tudo o que faz com amor e carinho dá certo. O Atende é um presente, não um serviço.” Há um reconhecimento do nosso trabalho”, enfatiza.     


Motorista ‘novo’ surpreende passageiro pela aparência

transwolff motoristas 2019 05

O motorista Guilherme Gomes Silva, 22 anos, é um dos motoristas de ônibus mais jovens da cidade de São Paulo. Ele dirige há seis meses. Já ouviu de passageiros “nossa, que novinho”, “nossa você tem 16 anos”, “ei, você tem idade pra dirigir?” São algumas das frases que ele ouve no dia a dia.     

O ex atendente de caixa é motorista da linha 6044-10 – Jd. Dom José – Term. Sto. Amaro uma das viagens que marcou nestes seis meses e meio exercendo a profissão foi ajudar no embarque e no desembarque de um deficiente visual.

“Poxa, é muito bom ser útil”, resume.   


Motorista há 25 anos no transporte coletivo diz que um olhar, um sorriso e até um bom dia faz a diferença no dia a dia

transwolff motoristas 2019 06

O motorista do Atende Paulo Faria de Carvalho, 51 anos, trabalha no serviço há 1 ano 2 meses, porém há 25 anos no transporte coletivo. Já dirigiu caminhão, ônibus urbano e de turismo.

Ele conta que é uma satisfação enorme ser motorista do Serviço Atende. “Gosto do que faço principalmente agora no Atende com muito amor”, enfatiza o carinho pela profissão.  

Paulo lembra que transporta pessoas com mobilidade reduzida, que o seu manifesto é um amor íntegro sem indiferença. 

“Um simples olhar, às vezes um sorriso, sem palavras faz a diferença do amor que temos por estas  pessoas. É um orgulho”, enfatiza o motorista.

“Não deixa de ser importante, levar e trazer pessoas no geral para seus compromissos, na posição de membro responsável por conduzir um veículo como profissional”, adverte.

Com tantos anos de profissão ele dá dica para iniciar na profissão. “Eu digo, transportamos não sabemos quem. Um bom dia, uma boa tarde e um boa noite é importante. Isto é educação.”, enfatiza. “Um profissional no volante tem que ter atitude, determinação e responsabilidade. Tudo começa pelo respeito”, reforça.


Ambulante sai da pacata Porto Calvo (AL) e realiza sonho de ser motorista em SP

transwolff motoristas 2019 07

O motorista do Atende Arquires Mases da Silva, 30 anos, é motorista do Serviço há apenas 45 dias e realizou um sonho de adolescência.

Para complementar a renda da família e ajudar o pai, o frentista José Amaro a mãe, a empregada doméstica Lucinéia a sustentar os filhos Marcio, Mariana e Maciele, além dele, foi trabalhar de ambulante na feira.   

A mãe fazia bolo, gelinho e pipoca para Arquires vender na feira de Porto Calvo (AL) aos domingos, cidade de 27 mil habitantes a 101 km de Maceió.             

Ele veio com a família para São Paulo no início dos anos 2000 onde trabalhou de auxiliar de estoque, empacotador, ajudante de motorista entre outras várias funções até realizar o sonho de adolescência.

“Trabalhar no Atende chega a ser um trabalho social. Quando chego com a van e vejo o sorriso deles é uma sensação muito boa”, diz. “É muito gostoso fazer o que a gente gosta. Tive um sonho de adolescência realizado e a Transwolff me deu essa oportunidade”, completa.        


Ex-recepcionista de apenas 22 anos migrou para o busão para seguir os passos do pai

transwolff motoristas 2019 08

Ele exerce a função há apenas 6 meses, mas já recebeu elogio de um passageiro por meio do serviço 156 da Prefeitura de São Paulo por ajudar uma idosa a subir no ônibus.  

O motorista Vinicius Antônio Nunes Pereira, 22 anos, que dirige na linha 6072-10 – Jd. São Nicolau – Varginha diz que além de seguir os passos do pai era um sonho de criança ser motorista de ônibus.  

“Amo dirigir e poder ajudar a população da melhor forma. Aprendi a gostar também porque meu pai também é motorista”, relata.

“Todo dia que entro no ônibus e vou pra minha primeira viagem é como se fosse a primeira”, conta.

Até os motoristas da linha se espantaram ao saber que tenho apenas 22 anos. Todos achavam que tinha uns 27”, diz rindo.  “Era um sonho ser motorista de ônibus e ele nunca vai morrer.”